Guiomar Namo de Mello é diretora da EBRAP – Escola Brasileira de Professores, empresa dedicada a estudos, iniciativas e projetos na área de educação inicial e continuada de professores da educação básica.

Nessa empresa está prestando consultoria para projetos de formação inicial de professores da educação básica em nível superior, presenciais e a distância.

 

 

Alguns projetos educacionais em andamento 

  • Grupo Pitágoras: produção de material para cursos de formação de professores da educação básica.  
  • Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: um estudo da gestão pedagógica das escolas municipais.
  • Sistema de Ensino COC: revisão dos materiais de alunos e professores que estão sendo utilizados junto a escolas de redes municipais, em várias regiões do Estado de São Paulo e do país.
  • Secretaria de Educação do Estado de São Paulo: reelaboração da proposta curricular de 5ª a 8ª série e de ensino médio; formulação da política de Educação Profissional da Secretaria.   
  • FESP – Fundação Escola de Serviço Público do Estado do Rio de Janeiro: elaboração de projeto para residência escolar de professores admitidos por concurso para a Secretaria de Educação do Estado.

Formada Pedagogia pela USP em 1966, fez mestrado e doutorado em educação na PUC/SP em 1976 e 1980 respectivamente, e pós doutorado no Institute of Education da London University em 1991-1992.

Após quase dez anos trabalhando em escolas públicas estaduais, iniciou carreira como professora de ensino superior na PUC-SP onde de 1969 a 1985 respondeu pelas cadeiras de Psicologia Escolar e Psicologia Social para cursos de pós graduação e de Metodologia de Pesquisa e Teorias da Educação Escolar para o curso de graduação em Educação. Trabalhou ainda na como professora visitante, na UNICAMP, na Universidade Federal de São Carlos e na Universidade Federal de Minas Gerais.

Paralelamente à sua atividade docente trabalhou mais de 10 anos como Pesquisadora na Fundação Carlos Chagas, Departamento de Pesquisas Educacionais. Nessa instituição dedicou-se principalmente ao estudo da educação como política pública, tendo coordenado um grupo de pesquisadores que, a pedido da FINEP, realizou a primeira análise abrangente da educação básica brasileira no período de 60 a 80.

Em 1982 foi nomeada Secretária Municipal de Educação de São Paulo, cargo que ocupou até o final do mandato do Prefeito Mario Covas, em 1985. Na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo liderou a implementação de inovações gerenciais e pedagógicas entre as quais se destacam:
A proposta pedagógica das Escolas Municipais de Primeiro Grau e de Educação Infantil;
A reestruturação da carreira do magistério municipal, com mecanismos de incentivos para que os professores permanecessem na docencia;
O Regimento Escolar que criou os Conselhos de Escola, abrindo espaço para a participação das famílias e comunidades na gestão escolar;
Essas inovações - juntamente com outras experiências desse período - serviram de inspiração para a Constituinte de 1988 e para as reformas educacionais dos anos 90.

Em 1986 elegeu-se Deputada Estadual de São Paulo e em 1988 contribuiu com seu mandato para a formação do PSDB. No Legislativo Paulista foi Presidente da Comissão de Educação e coordenou os trabalhos de elaboração da Constituição do Estado de São Paulo na área de políticas sociais e educação. Nesse período foi ainda assessora para assuntos educacionais do Senador Mario Covas, líder da Constituinte Nacional.

Em 1990 e 1991 foi consultora da preparação de projetos do Banco Mundial de investimento em educação na região Nordeste e no Estado de Minas Gerais.

De 1992 a 1996 viveu no exterior, o primeiro ano em Londres para seu Pós Doutorado e os seguintes em Washington, onde trabalhou como Especialista Senior de Educação no Banco Mundial e no Banco Interamericano de Desenvolvimento. Em ambas instituições gerenciou ou assessorou a preparação de projetos de investimento do setor público em educação na Argentina, Paraguai, Equador, Uruguai e Bolívia.

Em 1997 regressou ao Brasil para assumir a Direção Executiva da Fundação Victor Civita, uma organização sem fins lucrativos mantida pelo Grupo Abril que se dedica a publicações especializadas para professores de educação básica. Nesta posição vem exercendo a Direção Editorial da revista NOVA ESCOLA e de outras publicações especializadas entre as quais se destaca o OFÍCIO DE PROFESSOR.

Também em 1997 foi nomeada pelo Presidente Fernando Henrique para o cargo de Conselheira do Conselho Nacional de Educação-Câmara de Educação Básica. No CNE, entre outras atividades:
Foi Relatora do Parecer das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio;
Participou da elaboração das Diretrizes Curriculares da Educação Profissional;
Participou da elaboração das Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação de Professores da Educação Básica em Nível Superior.

De 1998 a 2000 deu consultoria a vários projetos educaionais entre os quais se destacam:
A implementação da reforma curricular do Ensino Média na SEMTEC/MEC;
O projeto do Centro de Referência em Educação Governador Mário Covas na Secretaria de Educação do Estado de São Paulo;
A elaboração da proposta do MEC para reforma curricular dos cursos de formação de professores em nível superior, no MEC.